quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Ela voltou

Há um ano escrevi matéria que mostrava a preocupação de especialistas com o peixe mais popular do País: a sardinha. As estimativas de capturas eram tão ruins que os mais pessimistas apostavam no colapso desse importante recurso pesqueiro. No entanto, a tendência apontada naquele momento não se concretizou e a captura do peixe atingiu o patamar de 70 mil toneladas.

Doze meses depois o que não faltam são teorias para explicar a recuperação desse importante pescado. No entanto, o mais sensato pensamento, me parece, é o que aposta no defeso (quando a pesca é interrompida, permitindo a desova dos peixes) como principal fator de mudança de cenário. Desde 2003 a pesca da sardinha fica proibida duas vezes por ano (no verão e no inverno, totalizando cinco meses).

Nesta semana escrevi mais uma matéria sobre o mesmo tema, apontando um clima completamente diferente de agosto do ano passado. Hoje o cenário para o setor sardinheiro é tão bom que ao invés de colapso, já tem gente arriscando até a falar em abundância.




Para ler as duas matérias (publicadas em A Tribuna em agosto de 2008 e de 2009), é só clicar nas imagens.



3 comentários:

anareis disse...

Querido(a) novo(a) amigo(a),estou precisando muito da ajuda de todos os amigos. estou montando uma minibiblioteca comunitária pra crianças e adolescentes na minha comunidade carente aqui no Rio de Janeiro,se voce puder me ajudar estou fazendo uma campanha de doações. pode doar qualquer quantia no Banco do Brasil agencia 3082-1 conta 9.799-3, ou pode doar livros ,ou pode doar máquina de costura, ou pode doar retalhos, ou pode doar computador usado. se quizer fazer aguma doação entre em contato com meu email: asilvareis10@gmail.com ,eu darei o endereço de remessa. se voce não puder me ajudar com doações pode divulgar minha campanha, tenho 2 blogs no google gostaria da sua visita: Eulucinha.blogspot.com ,obrigado pela sua atenção

Julia Roberts disse...

Sempre que se fala em sardinha, eu lembro da Rifer... pq será?

bjs da Fagueiro

Bc Guedes disse...

Como não? Estamos falando da repórter do povo, do "polvo" e da comunidade marinha. Mas pela doçura e encanto dessa moça tão querida, acho que é a nossa repórter estrela-do-mar.